Gastroenterite

Gastroenterite coral

 

Por definição, Gastroenterite Aguda é um quadro inflamatório gastrointestinal de início súbito com mais de 3 episódios de diarreia por dia que dura menos que duas semanas.

A maioria dos casos de gastroenterite é infecciosa, mas também pode ser secundária à ingestão de substâncias tóxicas. As causas infecciosas têm como agentes causadores possíveis diferentes tipos de vírus, bactérias ou parasitas.

A Gastroenterite Viral Aguda é causa comum de atendimentos em pronto socorros, sobretudo no verão. Os agentes causais mais frequentes são diferentes tipos de vírus como Rotavírus, Coronavírus, Calicivirus, Astrovirus e Adenovirus.

O quadro de Gastroenterite Viral Aguda geralmente se manifesta por um início súbito de vômito e/ou diarréia, podendo ser acompanhado de febre e dor abdominal.  Em alguns casos pode estar associado a  sintomas respiratórios ou manchas na pele, e muitos pacientes apresentam dor no corpo cansaço intenso e falta de apetite.

O período de incubação entre o contágio e o início dos sintomas é variado e pode variar entre 1 a 5 dias.

A transmissão se dá por contato com pessoas contaminadas ou em grandes surtos através de alimentos ou água contaminada. Higiene é a melhor prevenção. Lavar bem as mãos e alimentos antes de ingerí-los, utilizar água filtrada e fervida ou de fontes minerais conhecidas e confiáveis.

 

A Gastroenterite Viral por ser autolimitada, muitas vezes não requer exames ou intervenções. Porém devemos estar atentos a alguns FATORES DE RISCO DE GRAVIDADE que demandam avaliação médica imediata.

– Pacientes com histórico de uso de antibiótico ou internação nos últimos 6 meses (podem ter uma infecção por bactérias que precisem de tratamento específico);

– Sinais de desidratação (BOCA SECA, URINA ESCURA ou OU FALTA DE VONTADE DE URINAR por mais que 6 horas);

– Presença de sangue nas fezes ou sangramento retal;

– Perda de peso ao longo do período (Agudamente reflete a perda de LIQUIDO = desidratação);

– Dor abdominal mantida de forte intensidade (Pode ser um quadro inflamatório abdominal deve procurar o MEDICO imediatamente);

– Sintomas prolongados ( que durem mais que 1 semana);

– Sintomas de gastroenterite em pacientes idosos (Maiores de 65 anos) = MAIOR RISCO DE DESIDRATACAO

– Gravidez

– Presença de outras doenças como diabetes, tratamentos imunossupressores (corticóides, quimioterapia) cirrose, doença renal ou cardíaca

Nesses casos o médico avaliará a necessidade de um exame de sangue e/ou exame de fezes.

 

Tratamento

Não há evidencias de que uma dieta restritiva em lactose ou glúten abrevie o tempo da doença. Fibras insolúveis como vegetais ou legumes fibrosos (couve, quiabo, berinjela) podem exacerbar a diarréia e devem ser evitados.

A alimentação deve ser leve, conforme a TOLERÂNCIA do paciente.. Pequenas refeições, alimentos bem cozidos, caldos, aumentar ingesta hídrica com água mineral, sucos diluidos, ou isotônicos (como Soro Caseiro ou bebidas isotônicas industrializadas como “Gatorade”).

Banana, iogurte e batatas cozidas  podem ser boas fontes de energia.

O quadro é autolimitado e cabe aos médicos orientar medidas que auxiliem no controle dos sintomas. Devemos ficar sempre atentos a possibilidade de desidratação quando a diarreia ou enjôo forem  muito intensos ou persistentes.

O uso de probióticos também não tem comprovação cientifica de que abrevie o curso da doença, mas em quadros mais prolongados pode ser utilizado.

O uso de antieméticos pode ser útil para controle dos vômitos e analgésicos comuns como dipirona ou paracetamol podem ser utilizados para cólicas. Dores intensas e que não melhorem com analgésico comum devem ser reavaliadas pelo clínico sobre a possibilidade de um outro diagnóstico que não gastroenterite.

O uso de antidiarréicos como loperamida é evitado nesta fase aguda pelo risco de acumular o agente infeccioso ou toxina no interior do intestino levando a um quadro mais grave de infecção.

A principal medida é garantir uma adequada hidratação e usar medicamentos sintomáticos de forma direcionados para os sintomas e conforme orientação médica.

 

Vale lembrar que estamos passando por dificuldades e investigação quanto a contaminação de água no Rio de janeiro. Nós do Concierge Care orientamos nossos pacientes a munirem-se de água mineral de fonte confiável para hidratação e alimentação enquanto não tivermos a situação esclarecida e o problema da água resolvido.